BRINCARTE

BRINCARTE
BRINCARTE

Thursday, July 31, 2014

A CRIANÇA E O BRINCAR, POR DONALD WINNICOTT


A CRIANÇA E O BRINCAR – Ao fazer uma afirmação teórica sobre o brincar – não sobre a brincadeira =, Donald Winnicott chama atenção para longe da sequencia psicanálise, psicoterapia, material para brincar, brincar, e recoloca tudo na ordem inversa.

Dê um grande valor à capacidade da criança de brincar. Se uma criança brinca há lugar para um sintoma ou dois, e se ela gosta de brincar tanto sozinha quanto com outras crianças não há problemas graves em funcionamento. Se ao brincar ela tem prazer em usar uma rica imaginação e, se, além disso, ela também gosta de jogos que dependem da percepção exata da realidade externa, você pode se considerar feliz, mesmo que a criança em questão molhe a cama, gagueje, seja temperamental, tenha ataques de mau humor ou depressão. O brincar mostra que essa criança é capaz de, dado um ambiente razoavelmente bom e estável, desenvolver um modo de vida pessoal e, eventualmente, de tornar-se um ser humano total, desejado graças a isso, e bem-vindo pelo mundo em torno [...] Em outras palavras, o brincar é que é universal, e próprio da saúde: o brincar facilita o crescimento e, portanto, a saúde; o brincar conduz aos relacionamentos grupais. O brincar pode ser uma forma de comunicação na psicoterapia; finalmente, a psicanálise foi desenvolvida como uma forma altamente especializada de brincar, a serviço da comunicação consigo mesmo e com os outros. o natural é brincar [...] ”.

REFERÊNCIA:
NEWMAN, Alexander. As ideias de D. W. Winnicott: um guia. Rio de Janeiro: Imago, 2003.

Veja mais Donald Winnicott.


Wednesday, July 30, 2014

AS VIAGENS DE GULLIVER, DE JONATHAN SWIFT


AS VIAGENS DE GULLIVER – Na minha infância um livro que me embalou por dias infindos foi As viagens de Gulliver, do escritor irlandês Johanthan Swift (1667-1745). Fiquei deveras maravilhado a partir da primeira viagem do cirurgião inglês Lemuel Gulliver aceitando convite do capitão William Prichard com seguia em seu navio rumo aos mares do sul. O naufrágio nas Índias Orientais, leva o nosso herói até a praia, depois de muito nadar. Ao acordar, está amarrado e prisioneiro de pigmeus no país de Liliput. Como se tornara gigante praqueles aldeões, passou a conviver com eles até conseguir a sua liberdade e conhecer a metrópole, passando a ser chamado de o homem da montanha, sendo ordenado a enfrentar o povo Blefuscu, inimigo deles. Vence a batalha e se torna amigo do rei vencido. Há, então, uma conspiração do rei de Liliput para matá-lo e, com ajuda do povo de Blefuscu é ajudado a retornar para Inglaterra. Dois meses depois, parte para nova viagem com destino a Surat e, no meio de uma tempestade, é levado para a ilha de Broddingnog, habitada por gigantes. É recolhido pelo lavrador Grilbrig que o exibe como miniatura de gente obtendo muito lucro. Com o passar do tempo torna-se o brinquedo preferido da rainha e a ensinar o rei as coisas de seu governo. Depois de muito tentar, num descuido de um menino, é arrastado por uma águia até cair no mar e ser encontrado por marinheiros, retornando à sua casa. Vem, então, a terceira viagem a convite do capitão William Robson para as Indias Orientais, sendo na travessia do mar, assaltado por piratas que o deixam numa canoa, chegando até a ilha de Laputa. Aí obteve permissão para visitar a ilha de Balnibardi, na qual ele ensina melhoramentos para os projetos desenvolvidos cientificamente. Queria retornar para casa, mas não dispunha de navio, até que foi à ilha de Glubboubdrib de onde se dirigiu para o Japão, sendo recebido com muita cordialidade em Luggag, até chegar no destino pretendido e retornar ao seu lar. Empreende nova viagem, é traído e largado num bote em alto mar, até chegar no país dos Houyhnhnms governado por cavalos. Aí ele é ajudado por um alazão que o ajuda a fugir. Essas viagens são sátiras do autor aos desafetos políticos e da natureza dos europeus, criticando a colonização, sem, no entanto, deixar de ser um excelente exercício para imaginação e fantasia.


Sunday, July 27, 2014

PROGRAMA BRINCARTE DO NITOLINO ESPECIAL DOS AVÓS


PROGRAMA BRINCARTE DO NITOLINO – Neste domingo, a partir das 10hs, realizamos mais uma edição do programa Brincarte do Nitolino Especial dos Avós, no blog do programa Domingo Romântico. Para conferir é só ligar o som e clicar aqui.

PROGRAMAÇÃO - Na programação comandada pela Ísis Corrêa Naves muitas atrações: Bastos Tigre, Olavo Bilac, Sitio do Picapau Amarelo, Francis Monteiro & Paulo Zola, Peppa Pig, Avô Cantigas, Joelma Santos, Momento da Criança, Lourival e Lourenço, As Pererecas Sapecas, Padre Zezinho & muita música, muita poesia, histórias e brincadeiras pra garotada.

SERVIÇO:
O que? Programa Brincarte do Nitolino.
Quando? Domingo, 27 de julho, a partir das 10hs.
Onde? Blog do Programa Domingo Romântico.
Apresentação: Ísis Corrêa Naves.

O programa de hoje é dedicado a Pai Lula e Vó Carma.

Confira o programa aqui.


Saturday, July 26, 2014

OS VERSOS INFANTIS DE EDUARDO DE PAULA BARRETO


EDUARDO DE PAULA BARRETO – O poeta e escultor mineiro Eduardo de Paula Barreto é autor do livro de poesias Meus pensamentos, nossos mistérios (2007) e foi incluído na primeira seletiva Beco dos Poetas (2010). Dedicou parte de sua atividade literária para o público infantojuvenil. Desse trabalho recolhemos alguns que destacamos para vocês.

ESPÍRITO DE CRIANÇA

Existe algo mais puro
Do que o sorriso de uma criança
Que quando olha para o futuro
Não consegue medir a distância?

Por isso vive em pureza
Respirando o momento presente
Aguarda ansiosa a sobremesa
E sorri mesmo não tendo dentes.

Cria um mundo imaginário
Onde não há diferenças
Tem um planeta no armário
E muitos sonhos na cabeça.

Anda na rua pelado
Sem malícia nem maldade
Mas crescendo conhece o pecado
Perdendo a sua ingenuidade.

Quem dera fosse possível crescer
Sem perder a esperança
Amadurecendo sem deixar morrer
O espírito de criança.

FLORZINHAS ALADAS 
 
Ela ficou de boca aberta
Quando chegou ao jardim
E gritou: Mamãe, estou toda coberta
Tem flores voando em cima de mim!
 
São flores verdes, amarelas
Com variedade de formas sem fim
Mamãe, pegue uma delas
Quero uma grandona assim.
 
Mamãe por que você ri tanto
Não gostou das florzinhas aladas?
E a mamãe com um sorriso franco
Explicou o fenômeno à filhinha amada:
 
Sei que elas parecem lírios, margaridas
Orquídeas, rosas e violetas
Mas elas não são flores minha querida
Na verdade são lindas borboletas.

O SAPO CHATO
 
Havia uma família de sapos
Lindos sapos bem verdinhos
Entre eles tinha um chato
Chato sapo bem chatinho.
 
Certa vez ele brigou com os pais
Dizendo que sairia da mata
O sapo velho não aguentava mais:
  Vá meu filho, mas não se queixe de nada.
 
Então numa noite muito fria
O sapo chato decidiu ir embora
Disse adeus para os pais, irmãos, tios e tias
Gritando: Só eu saberei como é lá fora.
 
Enquanto caminhava ia engolindo
Todos os insetos que passavam na sua frente
Assim ia se divertindo
E nem sentia falta dos parentes.
 
Mas de repente a mata acabou
E viu-se numa calçada
Olhou para o lado e se encantou
Com uma luz que em sua direção caminhava.
 
Então pensou todo orgulhoso:
  Nossa, eu nem imaginava uma recepção assim
Eu sou tão bonito e famoso
Que há milhares de luzes voltadas pra mim.
 
Aí ele resolveu se apressar
Para dar entrevistas e ser homenageado
Mas foi só se virar
E o bobinho morreu atropelado.